sexta-feira, 2 de maio de 2008

Desastre vespertino

O que fazer? Repito: O que fazer? Minhas mãos estão ocupadas. Estou com fome, quero um pedaço de queijo! Mas, ai ai ai, se eu colocar estes livros na mesa da cozinha vou ter que pegá-los novamente após cortar uma fatia, e eles vão voltar para o mesmo lugar! Se já estão aqui, é melhor que continuem! Então VIVA o pecado da preguiça!...

Já sei! Vou abrir a geladeira com o pé, dar um empurrão na porta da mesma com as costas, e com a mão livre, tiro a tampa do "porta-queijo", corto uma fatia e tampo novamente, tudo isso antes da porta da geladeira voltar! Assim não tenho o trabalho de deixar todos os livros na mesa, e depois não preciso pegá-los novamente. Ah, é genial! Sou o ninja da preguiça caseira! Então vamos lá...

Abro a geladeira, mas algo ocorrido não estava nos meus planos...

Oh não! O prato com a goiabada está em cima do porta-queijos, mas que desordem! Essa geladeira parece ser governada pelo Lula. Mas aos poucos vou equilibrando tudo e colocando cada coisa em seu devido lugar. E tudo com uma mão só! (Uma mão com cinco dedos, claro.)

Pego o prato com a goiabada. Ok, mas agora... onde colocá-lo?

Já sei! Vou colocá-lo na mesa da cozinha, aí tiro a tampa do porta-queijos, corto uma fatia, o tampo novamente, pego a goiabada na mesa e a coloco no lugar de onde a tirei. Espera! Mas até eu levar a goiabada para a mesa a porta da geladeira já fechou! (sim, ela fecha sozinha). Ah, eu seguro com o pé! Na vida de um adolescente os pés não têm outra utilidade senão pular janelas e segurar coisas.

O plano é elaboradíssimo: Coloco o prato de goiabada em cima do pote de margarina, e com uma mão tiro a tampa do porta-queijos, a apoio no joelho, e vou cortando uma fatia, mas eis que o prato de goiabada, já inclinado, escorrega pelo pote de margarina e cai dentro de uma enorme tigela com canja de galinha que estava no fundo da geladeira. E é canja de goiaba pra tudo que é lado! A faxineira, que neste momento assistia em sua casa o Programa da Tarde, certamente sente uma pontada no coração. Ai que dor! Ai que chão lambuzado!

E o próximo que fosse provar o resto da canja certamente se deliciaria com uma exótica receita criada pela chef Ninja-Preguiçosa-Estabanada. Coloco a fatia de queijo na boca, tampo o porta-queijos, tiro o prato de goiabada de dentro da tigela de canja e grito:

- Vó, provoquei um acidente aqui com o pote de canja!

Mas antes que eu pudesse ouvir a resposta, o pedaço de queijo que já estava na minha mão, se quebra e vai parar no chão. Minha avó responde:

- Tá, mas não suja o chão que a Rose limpou hoje!...

- Mas vó, você ouviu? Eu estraguei a canja, tá?! - disse eu enquanto me virava procurando o pedaço de queijo que estava no chão. Com os livros atrapalhando a minha visão, escorreguei no pedaço de queijo, e ainda segurando os livros, me apoiei com a mão que estava livre na mesa, mas sem querer meti a mão dentro do prato de goiabada com caldo de canja que eu havia acabado de tirar da geladeira. Um tombo na fatia de queijo e uma apoiada num balde de canja de goiaba e é comida pela cozinha inteira! Nesse instante minha avó desce as escadas dizendo:

- Não entendi nada, menina! ... O que está acontecendo aí?

Me vendo naquela situação, com o que restou da pilha de livros em uma das mãos, a outra atolada no prato de goiabada, com o caldo da canja "visivelmente visível" e o pedaço de queijo esmagado no chão, urrou:

- MINHA COZINHAAAA!!!!!

Ainda com um pouco de fome, sem forças para sequer tentar cortar outro pedaço de queijo, com uma das mãos meladas, o tênis escorregadio e deixando a cozinha toda suja, subi para o meu quarto, em total fracasso. Num placar de dez a zero para o monstro do regime que assombra a cozinha, coloquei-me a estudar engolindo nada além do ódio da confusão toda.