segunda-feira, 14 de março de 2011

Outra infância


Nos mostram um pouquinho do céu no início da vida
Até que se passa a infância e fica só o gostinho.
As sensações, os cheiros, os costumes, as palavras...
Aí você morre para a felicidade,
Não adianta correr o mundo atrás da menininha da foto,
Ela, e tudo dela, já não existem.
Depois de tanto chorar adormeci, com os pensamentos latejantes,
Numa falsa paz
Breve;
E fica a impressão de derrota por não encontrar a "terra do nunca";
E fica o resto.

Me desculpem os versos confusos;
Retratam bem, mas são incompreensíveis.