terça-feira, 24 de maio de 2011

O jardim secreto das flores

A vida parou em meio segundo
Não há mais espaço para o que não é belo
E o meu pôr-do-sol, exclusivo em meu mundo
Tinge o céu num vibrante amarelo

É hora das flores, hora do meu jardim
Volto-me então ao recanto de paz
E o fim de tarde, cheirando a Jasmin;
Reluz à cor púrpura dos Manacás.

E às Azaléias contava histórias;
Colhendo os frutos das Pitangueiras
E na tardezinha de minhas memórias
Conservo ali, aventuras inteiras;

Por seres acolhedor criei os meus laços
Dando atenção à beleza das cores
E guardo as lembranças dos primeiros passos
Regando o jardim secreto das flores.