terça-feira, 11 de novembro de 2014

Poema chato e cliché

De amor não se escreve,  porque é mutável,
Não tem forma,  mas tem!
Tem uma cor ou dez,  e mais outras cem.
E sobre seu som infinito,  sempre vai,  não vem.
Seu nome é cliché,  mas sempre renomeado;
Com nome de menino,  menina,  ou qualquer outro culpado.
Se trata de amor,  sempre se agrega mais,
Se agrega o mundo e tudo que se é capaz.
Se cultiva profundo o dom de querer mais.
Não há limite no mundo!
Não há presença de paz.