domingo, 5 de junho de 2016

O centésimo poema

Se não fossem cem poemas
Endossando tanta mágoa
Num recanto que afaga
Pra acalmar tantos problemas
Hoje, quem seria eu?

Se não fosse cada verso
Cada colo literário
Antes fosse o contrário
Nesse mundo tão disperso
Hoje, quem seria eu?

E sem as rimas cortantes
E confissões adoçadas
Palavras duras, embasadas
Em sentimentos conflitantes
Hoje, quem seria eu?

Se não fossem os cem poemas
Tais palavras e problemas
Seriam só vazio profundo.

Preenchidos com o que amamos
Sem problemas, me salvam os anos
Os cem poemas que mudam meu mundo.